Terça-feira, Maio 21, 2024

Volume de negócios do mercado segurador cresceu 13% em 2022

Date:

O volume de negócios do mercado segurador foi de 313.549 milhões de kwanzas, representando um crescimento de 13% relativamente ao ano anterior, de acordo com um estudo realizado pela Associação de Seguradoras de Angola (ASAN).

Segundo uma nota de imprensa enviada ao JA quarta-feira, ao JA Online, o estudo baseado nos dados de 17 seguradoras num universo de 21 que operaram no país em 2022, os ramos com maior peso relativo continuam a ser o Saúde, o Petroquímica, o Automóvel e os Acidentes de Trabalho.

O director Executivo da ASAN, José Correia de Araújo, citado no mesmo comunicado, os prémios destas 17 seguradoras representaram 99,57% da totalidade do mercado em 2021.

Fonte: Journal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).