Domingo, Abril 14, 2024

Presidente da República encoraja PGR a continuar firme no combate à corrupção

Date:

O Presidente da República, João Lourenço, encorajou, esta quarta-feira, o procurador-geral e a vice-procuradora-geral da República a continuarem firmes no desafio do combate à corrupção João Lourenço, que falava no acto de posse do procurador-geral da República, Hélder Pitta Gróz, e da vice-procuradora geral da República, Inocência Pinto, desejou sucesso aos magistrados no desempenho das funções.

Hélder Pitta Gróz e Inocência Pinto foram nomeados pelo Presidente da República, João Lourenço, na sequência de eleições para o provimento dos cargos, com resultados homologados pelo Plenário do Conselho Superior da Magistratura do Ministério Público.

O procurador-geral da República, Hélder Pitta Gróz, disse à imprensa que vai dar continuidade ao programa de combate à corrupção. Para o magistrado, o combate à corrupção é uma tarefa que deve ser desenvolvida não apenas pelos magistrados, mas deve envolver outros órgãos de soberania e toda a sociedade. “Essa interacção é essencial e fundamental para que possamos levar avante este programa de combate à corrupção”, disse.

Hélder Pitta Gróz acrescentou que a PGR vai dar continuidade ao trabalho iniciado há alguns anos, uma vez que este órgão tem ainda um défice de recursos humanos e por isso não conseguiu cumprir cabalmente o seu programa de prioridades. Lembrou que foi durante o seu primeiro mandato que em mais de 40 anos que a PGR conseguiu fazer o maior número de enquadramento de novos quadros, formação, recursos materiais e financeiros.

O magistrado informou que para o êxito do combate à corrupção, a PGR conta com o apoio financeiro do Executivo. “Não se combate a corrupção sem ter capacidade financeira para se poder fazer o trabalho. Tem que haver, da parte do Executivo, um grande apoio e disponibilidade para que possamos ter as condições de trabalho que os magistrados merecem”, salientou.

Hélder Pitta Gróz entende que se deve dar maior atenção aos magistrados que intervêm a nível dos órgãos de polícia criminal.

Quanto ao plano estratégico da PGR que está em consulta pública, explicou ser um programa amplo que abrange os órgãos do Executivo que devem dar o seu contributo para a melhoria do documento.Quanto à sua recondução ao cargo, destacou o facto de o Conselho Superior da Magistratura do Ministério Público ter acreditado nas suas competências. “Embora tenha saído o segundo candidato mais votado, acreditaram que posso continuar o trabalho iniciado há alguns anos e deram esse voto de confiança” , sublinhou.

O Presidente da República, disse, também mantém a confiança que sempre demostrou “ao longo do meu primeiro mandato e achou que estou em condições de continuar a trabalhar”, ressaltou.

Fonte: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).