Terça-feira, Fevereiro 20, 2024

Pedro Sánchez visita Quénia e África do Sul em busca de “aliança estratégica”

Date:

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, visita esta semana o Quénia e a África do Sul, em busca de “alianças estratégicas” no continente africano para Espanha e a União Europeia, a que presidirá no próximo ano.

Estas serão as primeiras visitas oficiais de um chefe do Governo espanhol ao Quénia e à África do Sul e seguem-se a outro périplo de Sánchez na África subsaariana, em 2021, quando passou pelo Senegal e por Angola.

Sánchez defende “uma aliança estratégica” com África, tanto de Espanha como da União Europeia (UE), segundo disseram fontes do Governo espanhol esta semana.

As mesmas fontes destacaram os resultados positivos da visita de Pedro Sánchez a Angola, no ano passado, tanto em termos diplomáticos, com o Presidente angolano, João Lourenço, a referir sempre Espanha como interlocutor e parceira importante nas relações internacionais de Angola, como em termos económicos, com reforço das oportunidades comerciais e de investimento.

Mas para o Governo espanhol, a “aliança estratégica” com África vai mais além destas áreas e das relações bilaterais de Espanha com países do continente, segundo as mesmas fontes, que sublinharam os debates recentes no seio do Conselho Europeu (que junta os líderes dos países da UE) sobre a geoestratégia europeia e a necessidade de diversificar a “rede de alianças”, frente às posições internacionais da Rússia e da China, por exemplo, duas potências que têm tentado aumentar a sua influência na região subsaariana.

O Governo espanhol presidirá à UE no segundo semestre de 2023 e as fontes da Moncloa (sede do executivo de Espanha) sublinharam também o pacote de medidas aprovado por Bruxelas, na última cimeira UE-União Africana, já este ano, com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento em África.

No âmbito da presidência da UE, é “essencial” a intensificação de contactos com líderes africanos, para “impulsionar soluções globais para problemas globais”, disseram as mesmas fontes, que referiram questões como as relacionadas com as alterações climáticas, as cadeias de abastecimento, o controlo das redes de imigração ilegal ou o combate ao terrorismo, como acontece na região do Sahel ou no norte de Moçambique, em Cabo Delgado.

Acompanhar os “processos de desenvolvimento” de África é do interesse nacional espanhol e europeu, reforçaram as fontes do executivo espanhol.

Neste contexto, Espanha considera o Quénia e a África do Sul dois países “prioritários” nas relações diplomáticas, sendo ambos líderes regionais e polos de integração regional.

A África do Sul tem os melhores indicadores de desenvolvimento do continente, apesar da grande desigualdade social, e o Quénia é um polo de estabilidade na África Oriental, além de serem, os dois países, democracias “consolidadas” mesmo que com “as suas imperfeições”.

No caso do Quénia, o executivo espanhol destaca que tem tido um papel importante nos fóruns internacionais diplomáticos, com a reiterada condenação à Rússia pelo ataque à Ucrânia e o apoio claro às sanções a Moscovo aprovadas no seio da Assembleia das Nações Unidas e do Conselho de Segurança das Nações Unidas, onde Nairobi tem assento neste momento.

Sánchez vai encontrar-se nesta viagem com os presidentes dos dois países, o queniano William Ruto (que tomou posse há um mês) e o sul-africano Cyril Ramaphosa.

Pedro Sánchez será o primeiro chefe de Governo estrangeiro que William Ruto vai receber.

O primeiro-ministro espanhol viaja acompanhado de uma comitiva de empresários, sendo que nos dois países há já investimento oriundo de Espanha, com destaque para as áreas da energia, gestão da água e infraestruturas em geral.

O Governo espanhol apresentou no ano passado o plano “Foco África 2023”, com o qual tenta marcar um ponto de viragem nas relações com o continente africano e diversificar a sua influência diplomática fora da Europa, tradicionalmente centrada na América Latina e no norte de África.

O objetivo é alcançar uma nova parceria estratégica em que Madrid possa liderar a ação da União Europeia com esta parte do mundo, beneficiando de Espanha “não ser vista como antiga potência colonial” neste continente, segundo as fontes da Moncloa.

O “Foco África 2023” considera como “países âncora” Nigéria, Etiópia, África do Sul; e como “países prioritários” Senegal, Costa do Marfim, Gana, Quénia, Tanzânia, Moçambique e Angola.

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).

Cabo Verde está a trabalhar na recuperação de empresas

A ministra da Justiça de Cabo Verde, Joana Rosa, avançou, esta segunda-feira, na cidade da Praia, que o Governo está a trabalhar no processo de insolvência, no código de recuperação de empresas e nas medidas de acções visando dar uma nova vida à economia do país.

PGR de Israel pede anulação de lei que impede exoneração de Netanyahu

Jerusalém - A Procuradora-Geral de Israel, Gali Baharav-Miara, defendeu perante o Supremo Tribunal a revogação da lei, aprovada pelo Parlamento em Março, que impede o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, de ser declarado incapaz de exercer o cargo.