Terça-feira, Junho 25, 2024

Indústria de Oil & Gas Offshore Está de Volta

Date:

Logo após a realização do World Economic Forum na semana passada em Davos, em que vários palestrantes tiveram palavras duras em relação a indústria de petróleo e gás, incluindo o chefe da ONU, António Guterres, e o chefe da IEA, Fatih Birol, com mensagens claras sobre “precisamos parar de produzir petróleo e gás para resolver o problema climático mundial”

Enquanto isso acontecia, no entanto, o mundo continuou a precisar de mais energia, e o petróleo e o gás continuaram a ser a forma ideal de energia para a maioria das necessidades humanas. Assim, com a previsão da demanda, inclusive pela IEA, as necessidades energéticas irão aumentar este ano acima da taxa de crescimento da oferta, e com isso, novas actividades de perfuração vão surgindo, especialmente offshore.

Em dezembro do ano passado, foram registados novas empreitadas de perfuração offshore, como Transocean, Valaris e Noble Corp, que dispararam meio à forte demanda por seus serviços, resultando num aumento das taxas diárias para plataformas de perfuração, chegando até aos $500.000?/dia.

No último ano e meio, todos começaram a perfurar novamente no mar e querem usar as plataformas mais eficientes. Um resumo dos maiores negócios assinados na indústria de perfuração offshore no ano passado reforça a percepção de um forte renascimento. O maior negócio foi o contrato da QatarEnergy com a McDermott para expandir a capacidade de produção no North Field, tornando-se num dos maiores negócios da história da McDermott. 

O Qatar também esteve envolvido no segundo maior negócio offshore para 2022, com a italiana Saipem, novamente para o North Field, o que é compreensível, já que o governo do Qatar planeia aumentar a capacidade de produção de LNG do país de 77 milhões de toneladas anuais para 110 milhões de toneladas. Isso significa que haverá muito trabalho para as empresas de perfuração offshore.

A Adnoc também está a aumentar a sua capacidade de produção com a ajuda da Schlumberger e da Halliburton, que fecharam 2 contratos com a major dos Emirados no ano passado no valor de cerca de $ 4biliões. O mesmo vale para a Aramco, que anunciou planos para aumentar sua capacidade de produção de petróleo em 1 MBPD, totalizando 13 MBPD. Espera-se que a maior parte da nova capacidade da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos venha de desenvolvimentos offshore.

A Noruega também está de olho numa forte expansão na actividade de perfuração de petróleo e gás, todas realizadas offshore, apesar das promessas anteriores do governo de uma redução gradual na produção de petróleo e gás e uma mudança para energia renovável. No início deste mês, o ministério de petróleo da Noruega concedeu 47 novas licenças de exploração a 25 empresas. 

A perfuração offshore está a crescer no Brasil, na Guiana e no Suriname também. A Petrobras aumentará os gastos entre 2023 e 2027, com a maior parte do dinheiro indo para exploração e produção. A Guiana está a aproveitar os resultados de uma série de descobertas offshore que aumentaram as exportações de petróleo do país em 164% em 2022, com receitas atingindo $1,1 bilião. O Suriname aparentemente está no caminho da Guiana para a riqueza do petróleo, embora esteja enfrentando alguns desafios. As expectativas dos analistas sobre o mercado de drilling offshore são optimistas. Os preços do petróleo estão mais altos do que em 2019, a demanda por petróleo é forte e as empresas de perfuração offshore estão a gerar bons lucros. A perfuração em águas profundas é particularmente atrativa, pois é onde está a maior parte dos recursos de petrolíferos inexplorados em todo o mundo.

Cerca de 90% das plataformas offshore do mundo foram contratadas para trabalhar ou já estavam a trabalhar desde Dezembro último. Isso representa um aumento de cerca de 60% na média de 5 anos.

Esse aumento na demanda por perfuração offshore, especialmente em águas profundas, também reavivou a demanda por navios-sonda que foram descontinuados durante a pandemia e a desaceleração do sector. Os navios-sonda custam cerca de $100 milhões para serem colocados novamente online, e os proprietários estão a exigir o pagamento antecipado.

Portanto, apesar dos apelos cada vez mais altos para o que efetivamente equivale a fechar a indústria de petróleo e gás, o mundo real está a exigir cada vez  mais petróleo e gás. Da costa do Brasil ao Mar do Norte e ao Golfo Pérsico, verifica-se a crescente instalação de plataformas de perfuração.

Fonte:https://www.petroangola.com/breaking-news/industria-de-oil-gas-offshore-esta-de-volta/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).