Terça-feira, Abril 16, 2024

Angosat-2 é colocado em órbita a partir da estação de Baikonur

Date:

O satélite Angosat2 é colocado em órbita, hoje, pelo foguete “Proton-M”, com cerca de 50 metros de altura, a partir do Cosmódromo de Baikanur, Cazaquistão, por volta das 20 horas locais, 16 de Angola.

A delegação angolana, que visitou ontem as instalações do Cosmodromo de Baikanur, está confiante no sucesso da operação. No local, recebeu explicações detalhadas sobre o lançamento e o comportamento do satélite, e ficou a saber que, depois de estar em órbita, o Angosat2, com duas toneladas de peso, terá uma dimensão de 22 metros de envergadura quando abrir os painéis solares.

A visão que se tem do satélite, a partir da rampa de lançamento, é de que se está em presença de uma obra imponente, uma criação fantástica da engenharia de exploração espacial. Depois de estar em órbita, a central de acompanhamento e controlo, em terra, terá de aguardar pelo sinal do satélite, para a confirmar a sua operacionalidade.

Os especialistas que estão a tratar do lançamento adiantaram que o período de espera pela reacção do satélite é de aproximadamente três meses. Depois, segue-se uma fase de testes para verificar as movimentações e o funcionamento em órbita, num tempo que varia entre 60 e 90 dias. Para chegar na sua posição operacional, o satélite precisa, em continuidade, de pelo menos dez dias.

O director  técnico, Alexander Madzar, fez saber que todos os procedimentos técnicos de preparação para o lançamento foram feitos de acordo com os padrões de operação, um facto que garante o sucesso da operação. Disse que, de acordo com o cronograma, a separação do satélite do bloco de aceleração está programada entre as duas e as quatro da amanhã.  

O director-geral da ISS-Indústria Espacial Russa, Evgeniy Nesterov, avançou mais informações durante uma curta reunião com o ministro das Telecomunicações, Tecnologia de Informação e Comunicação Social, Mário Oliveira, que culminou com a assinatura de um Memorando de Entendimento entre Angola e a Rússia. 

No final do encontro, depois da visita de constatação sobre o nível de preparação para o lançamento do satélite, o ministro Mário Oliveira, dirigindo-se aos responsáveis da ISS, fez questão de acentuar que a expectativa dos angolanos à volta do lançamento do satélite é  grande.

“Os angolanos estão expectantes com o dia de hoje”, frisou, acrescentando: “Nós acreditamos que o trabalho feito oferece garantias de que a operação de lançamento,  colocação do satélite em órbita e a sua operacionalização terão sucesso”.

Mário Oliveira realçou a prestação do Angosat2 na oferta de serviço de telecomunicações, como objectivo da missão. Confrontado sobre o impacto do satélite, referiu que vai revolucionar a comunicação no país, de modo geral.

Angola, prosseguiu, é um país vasto e precisa de uma cobertura em toda a sua extensão territorial, por forma a oferecer serviços de comunicação com qualidade à população, permitindo, assim, o seu desenvolvimento. Com este passo, “Angola acaba de entrar para o mundo espacial, que está em constante desenvolvimento”, referiu o ministro.

Em relação à possibilidade do país adquirir no futuro mais satélites, uma curiosidade da imprensa local, Mário Oliveira disse que não, justificando, a propósito: primeiro “vamos explorar o Angosat2, e, mais lá para a frente, analisar a necessidade ou não de se adquirir um outro satélite”.

Quanto à utilização do Angosat2, o ministro referiu que a operação está toda planificada, e, tão logo se cumpram os procedimentos tecnológicos, está prevista a entrada de um outro conjunto de procedimentos. Na ocasião, Mário Oliveira manifestou, também, a pretensão do Governo continuar a trabalhar com a Rússia no domínio da Ciência Espacial.

“Este capítulo, nunca se esgota, pois, vamos continuar a trabalhar com a Rússia”, disse, sublinhando que é uma potência mundial na ciência espacial, afirmando que o país quer “estar ao lado dos melhores”.

Ao pronunciar-se sobre a cooperação com a Rússia, fez saber que a área espacial é muito vasta, e, neste capítulo, as partes têm vindo a cooperar já desde alguns anos, sobretudo na formação de quadros.  Mário Oliveira, que se faz acompanhar de técnicos de alto nível, destacou o trabalho realizado com as autoridades russas, principalmente entre as equipas técnicas, que permitiram o desenvolvimento do projecto.

“Foi um período marcado de trabalho árduo, que exigiu empenho das duas equipas, cujo resultado culmina com o lançamento do satélite, hoje”, sublinhou. Do ponto de vista técnico, acentuou, existem garantias de sucesso desta missão, segundo o J A.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).