quarta-feira, dezembro 7, 2022

Ajuda internacional à transição energética em países pobres pode se tornar armadilha fiscal

Date:

Uma das notícias mais celebradas na última Conferência do Clima de Glasgow, a COP26 do ano passado, foi o anúncio de um acordo entre a África do Sul e diversos países desenvolvidos para destinar US$ 8,5 bilhões em financiamento para tirar o país africano da dependência de carvão na geração de eletricidade.

No entanto, a matemática da boa-vontade dos países ricos esconde alguns detalhes que sugerem o contrário: ao invés de ajudar, o acordo de transição energética pode virar uma armadilha para os sul-africanos, enterrando-os em mais dívida externa pelas próximas décadas.

Um levantamento divulgado pelo Climate Home mostrou que a esmagadora maioria dos recursos prometidos (97%) será composta fundamentalmente de empréstimos – ou seja, dinheiro que será emprestado à África do Sul e que precisará ser quitado, com juros, aos países financiadores.

Na maior parte dos casos, as condições são mais vantajosas do que seriam no mercado aberto, mas, ainda assim, o resultado será mais dívida para os sul-africanos pagarem no futuro. Do total prometido, míseros US$ 230 milhões serão doações propriamente ditas.

Em parte, essa arquitetura se deve à forma como os sul-africanos pretendem aplicar os recursos. O principal alvo é a empresa estatal Eskom, que está sobrecarregada por dívidas e incapaz de obter crédito no mercado.

A ideia é reestruturar a empresa e, a partir disso, atrair mais investimentos privados, esses voltados para reformar as usinas termelétricas e adaptá-las à geração de energia por fontes renováveis.

Por essa razão, o governo já garantiu a aprovação do plano, que também prevê – em proporção bem menor – investimentos na ampliação da rede de distribuição e na eletrificação da frota automotiva do país.

Para parceiros como EUA e Reino Unido, o acordo seria um framework para colaboração com outros países emergentes na transição energética, destravando novos investimentos em fontes renováveis de energia. No entanto, como o caso sul-africano é mais específico, uma replicação simples em outras nações pode ser insuficiente – e até mesmo indesejável para elas. 

Fonte: https://climainfo.org.br/2022/10/25/ajuda-internacional-a-transicao-energetica-em-paises-pobres-pode-se-tornar-armadilha-fiscal/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

Angola Lança Relatório Especial do Sector Petrolífero na Angola Oil and Gas (AOG) 2022

O Ministério dos Recursos Minerais, Petróleos e Gás de Angola (MIREMPET) lançou o seu Relatório Especial sobre o Sector Petrolífero durante a cerimónia de abertura da Conferência e Exposição Angola Oil&Gas (AOG) 2022 (http://bit.ly/3UyBCpP) na terça-feira.

Isabel dos Santos vai concorrer à Presidência de Angola se a oportunidade surgir – “Procuraram manchar a minha reputação para venderem a UNITEL aos...

A empresária Isabel dos Santos disse que quer ser candidata à Presidência da República, "se a oportunidade surgir", porque Angola "precisa de um novo futuro político" e diz acreditar que "há muitas pessoas" que vão estar com ela nessa batalha.

Economia timorense está lentamente a recuperar

A economia de Timor-Leste está lentamente a recuperar, depois de uma recuperação de 2,9% em 2021, a economia está no caminho certo para crescer ainda mais 3,0% em 2022", refere o relatório, com o tema "Honrar o passado, garantir o futuro".

Sonangol dá início a construção do segundo Navio petroleiro

O arranque da construção do segundo navio foi formalizado no dia 28 deste mês, na cidade de Mokpo, Coreia do Sul, com a tradicional cerimónia de corte de aço referente ao casco 8021, segundo navio do projecto da tipologia Suezmax.