Sábado, Abril 13, 2024

“Um regulador não deve ser ao mesmo tempo concessionário”

Date:

O académico defende que a reforma do sector petrolífero em Angola, que retirou a função concessionária da Sonangol, está incompleta. Com dois livros sobre o sector petrolífero, aponta o caminho para o país ser mais competitivo num cenário em que há cada vez mais petróleo descoberto no mundo.

Lançou recentemente um livro em parceria com vários autores, que é um estudo comparado do Contrato de Partilha de produção usado no sector petrolífero em Angola e em vários países. Aliás em Angola, nas novas licitações, já está a ser aplicado o contrato de serviços com risco. Qual a diferença?

Isso já está na lei n.º 2 de 2004, Angola pode ter até 4 tipos contratuais. É verdade que o PSA [Contrato de Partilha de Produção] tem sido o principal contrato entre o Estado e os Operadores Internacionais de Petróleo e Gás (IOC) que actuam em Angola.

Cerca de 99% dos contratos assinados em Angola, antes das novas licitações que arrancaram em 2019, tem como base o PSA. Por que mudar agora o tipo de contrato?

O PSA tem mais vantagens para as IOC, ou seja, as chamadas associadas ou membros do grupo empreiteiro. É um contrato que tem vantagens e desvantagens. É mais atractivo para as empresas investidoras, mas também salvaguarda os interesses do Estado. Se comparado ao contrato de serviços com risco, o PSA é um contrato mais favorável para o sector privado, ou seja, para as empresas investidoras.

Porquê?

O Contrato de Partilha de Produção é um contrato onde os termos fiscais e financeiros são definidos de acordo com o acordado entre as partes. O PSA prevê também a divisão do profit oil ou petróleo lucro entre o Estado e as empresas. Normalmente, a maior fatia do bolo fica para as empresas e não é o caso nos contratos de serviços com risco.

Que características têm os contratos de serviços com risco que os torna mais favoráveis para o Estado do que para as operadoras?

São contratos utilizados essencialmente por países, como os Estados do Golfo, onde estes países têm uma produção de petróleo e de gás assegurada tipicamente pela NOC (national oil companies), ou seja, pelas suas empresas estatais e onde os investidores privados internacionais ou multinacionais estão apenas para apoiar a produção em projetos específicos, o que permite que a maior parte do bolo fique para o Estado. A percentagem de petróleo que fica com os investidores nos contratos de serviço com risco é menor em comparação ao PSA.

Mas nos dois contratos os investidores são pagos em barris de petróleo?

Obviamente que a diferença, em termos jurídicos, é que nos contratos de serviços com o risco os investidores, ou IOC, são pagos pelos serviços prestados e, por isso, são pagos em espécie. Desenvolvem, exploram e produzem petróleo e gás, mas eles recebem um pagamento pelos serviços, portanto, não há tecnicamente uma divisão como há no PSA. No Contrato de Partilha de Produção, na fase de produção, temos o cost oil, que também é chamado de custos recuperáveis. Tudo porque o investidor, por sua conta e risco, explora e, se descobrir crude em quantidades comerciais, passa a produzir e depois é dividido o petróleo entre o Estado e os investidores.

Mas os países que adoptam o contrato de serviços com risco tem operadoras fortes. Por exemplo, no Brasil, há o contrato de serviços com risco e a Petrobras tem o monopólio da produção e, por isso, apenas se paga à multinacional pelos serviços. Em Angola, a Sonangol ainda não tem músculo para carregar este peso, tal como faz a Petrobras ou a Saudi Aramco e outras petrolíferas estatais?

Em Angola, tipicamente o operador ganha o concurso público para um bloco, mas depois vai vender participações desse bloco a outras empresas, para diversificar o risco. Então, na prática, Angola tem um sistema de joint bidding. Uma Exxon Mobil, quando ganha um concurso público em países como Angola, depois vai vender participações deste bloco a outras empresas.

O PSA permite a mitigação do risco. Por isso é que a Sonangol fez o farm out nalguns blocos?

Então, o risco inicial financeiro acaba por ser diversificado e, tipicamente, nós também encontramos aí uma das grandes vantagens do Contrato de Partilha de Produção, que é a possibilidade de partilhar o risco com outros investidores, uma vez que o risco fica totalmente por conta do investidor.

Fonte: JORNAL EXPANSÃO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).