Quarta-feira, Julho 10, 2024

Sector mineiro: Investidores canadenses pretendem investir em Angola

Date:

Os empresários do Canadá estão ansiosos em investir no sector mineiro angolano.

A revelação foi feita por Adriano Campos, Presidente do Câmara Internacional de Negócios Canada-Angola, durante a sua preleção, na 2ª edição do Fórum Negócio Mineiro, realizado hoje 30 de Maio, em Luanda.

Adriano Campos, que assinou um memorando entre a Câmara Internacional de Negócios Canada-Angola e a Bumbar Mining à margem do encontro organizado pela Mining Eventos, fez saber que é interesse dos homens de negócios do Canadá investirem em Angola, em função do seu potencial mineralógico. 

Fonte: ENDIAMA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).