Domingo, Janeiro 29, 2023

Orçamento Geral do Estado para 2023 aprovado na generalidade

Date:

O Orçamento Geral do Estado (OGE) para o Exercício Económico de 2023 foi aprovado, segunda-feira, em Luanda, na generalidade, com 117 votos a favor, 80 contra (da UNITA) e quatro abstenções. O debate contou com a intervenção de 15 parlamentares, enquanto 24 solicitaram pontos de ordem.

A sessão plenária, que aprovou em termos genéricos o principal instrumento de programação da política económica e financeira do país, foi testemunhada pela ministra de Estado para a Área Social, Dalva Ringote, que agradeceu, em nome do Titular do Poder Executivo, as recomendações e contribuições feitas ao documento.

Ao lembrar que as questões técnicas da Proposta do OGE-2023 serão avaliadas nos próximos dias pelas comissões de trabalho especializadas, com vista ao aprofundamento e enriquecimento do conteúdo, a ministra de Estado manifestou inteira disponibilidade do Executivo “para aportar informações complementares onde for possível e necessário”.

O diploma legal, que comporta receitas estimadas em 20.104, 207, 404,872.00 (vinte biliões, cento e quatro mil, duzentos e sete milhões, quatrocentos e quatro mil e oitocentos e sessenta e dois kwanzas) e despesas fixadas em igual montante para o mesmo período segue, nos próximos dias, para a discussão na especialidade, no sentido de a 13 de Fevereiro ser submetido à sessão plenária, para votação final global.

Em resposta às várias preocupações levantadas pelos deputados, em relação ao OGE-2023, a secretária de Estado para o Orçamento e Investimento Público reafirmou o compromisso do Executivo na melhoria da arrecadação das receitas e rigor da qualidade na execução das despesas, argumentando serem “desafios essenciais”, para a defesa da sustentabilidade e asseguramento do crescimento económico.

Jociane de Sousa recordou que a Proposta do OGE-2023 assenta nos princípios da estabilidade fiscal e orçamental, bem como da sustentabilidade da dívida pública. Sublinhou, a propósito, que o rácio da dívida pública em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) passou de 133 por cento, em 2020, para 82, em 2021, e 64 por cento em Outubro de 2022, salientando que a estratégia de redução da dívida prossegue este ano.

A governante informou ainda que a inflação vem sofrendo uma “redução gradual” ao longo dos últimos anos. Indicou que em Dezembro do ano passado a mesma registou 13 por cento contra 41,95 em 2016. Referiu que ao longo deste ano a inflação pode atingir 11 por cento e a médio prazo um dígito.

No OGE deste ano, o Executivo pretende garantir o mínimo de condições para as populações mais vulneráveis, bem como promover e executar medidas de estímulo à produção e capacitação dos cidadãos, informou Jociane de Sousa, acrescentando que a aposta na diversificação da economia e no investimento público estruturante também consta do leque de prioridades do orçamento para o presente ano.

“Tomamos boa nota das recomendações dos deputados sobre as despesas sociais, mais concretamente nos sectores da Educação e da Saúde”, declarou a secretária de Estado, realçando que o sector Educativo registou um incremento de 25 por cento relativamente a 2022, enquanto o da Saúde assinalou uma evolução de 45 por cento em relação ao ano transacto.

“Vamos continuar a garantir a mobilização de recursos financeiros suficientes e, sobretudo, sustentáveis, para atender as necessidades urgentes e prementes da população”, indicou a governante, que manifestou “inteira disponibilidade” do Executivo em trabalhar com os parlamentares, com vista a uma melhor hierarquização e priorização das despesas públicas, consubstanciadas, sobretudo, no pagamento da despesa com o pessoal, serviço da dívida, fornecimento e acesso dos cidadãos à energia eléctrica e água potável, saneamento básico e construção de infra-estruturas para facilitar a mobilidade.

Arrecadar mais receitas não-petrolífera

No quadro da receita fiscal, a secretária de Estado disse que o objectivo, no presente orçamento, é continuar a aumentar a capacidade do Executivo, na arrecadação da receita não-petrolífera, através do aumento da base tributária.

“A política fiscal da Proposta do OGE-2023 visa buscar a justiça fiscal e a desoneração dos custos da cadeia de abastecimento em bens e serviços, como políticas de alívio aos impactos da inflação dos últimos tempos”, salientou a secretária de Estado, apontando como exemplo, a manutenção da redução das taxas do IVA nas operações de importação de bens de amplo consumo e do sector produtivo.

A secretária de Estado do Orçamento e Investimento valorizou a proposta apresentada por alguns deputados, consubstanciada no aumento dos benefícios fiscais. Salientou, a propósito, que no Código de Benefícios Fiscais estão previstos alguns incentivos, sobretudo, direccionados às empresas que empregam estagiários.

“Vamos nos próximos tempos procurar analisar, de forma profunda, a tributação das pequenas e médias empresas, por forma a garantir o desenvolvimento das mesmas”, indicou a governante.

Pagamento de atrasados

No capítulo da Dívida Pública, Jociane de Sousa informou que o pagamento dos atrasados deve obedecer aos princípios de verificação e certificação. “Mesmo depois de certificada, a receita que deve cobrir a despesa presente e a passada obrigam a que se faça uma gestão de tesouraria, com base num conjunto de compromissos a honrar”, declarou.

Solicitou, por isso, o apoio dos deputados e dos cidadãos, em geral, na denúncia de tentativas de distorção, ao mesmo tempo que manifestou disponibilidade dos técnicos do departamento ministerial, na discussão dos aspectos técnicos do OGE-2023, durante as discussões na especialidade.

Em relação à produção agrícola recordou que o Plano Nacional de Fomento para a Produção de Grãos (PLANAGRÃO) foi concebido para atender as componentes de investimento privado na produção, e de construção de infraestruturas públicas.

  OGE deve acolher todas as contribuições

Já no final da sessão, e em jeito de recomendação, a presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, sublinhou a necessidade de o documento central da condução das políticas públicas do país para o presente ano não ser apenas elaborado pelo Executivo, salientando que a elaboração do mesmo deve contar com as contribuições apresentadas pelos diferentes partidos políticos nos debates anteriores.

Carolina Cerqueira disse que os cidadãos esperam que os seus representantes consigam um documento responsável, com os consensos possíveis e que responda, de forma gradual, as suas preocupações, das famílias e das empresas.

“Acredito que o OGE-2023 sairá melhorado após a discussão, na especialidade, que contará com o contributo de todos”, vaticinou a líder parlamentar, que disse esperar maior empenho, compromisso e diálogo entre os deputados das diferentes bancadas para garantir que o OGE-2023 responda ao momento actual do país.

A próxima reunião plenária da Assembleia Nacional, que deverá votar, em definitivo, o Orçamento Geral do Estado para o Exercício deste ano está prevista para 13 de Fevereiro próximo.

Fonte:https://www.jornaldeangola.ao/ao/noticias/orcamento-geral-do-estado-para-2023-aprovado-na-generalidade/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

Indústria de Oil & Gas Offshore Está de Volta

Logo após a realização do World Economic Forum na semana passada em Davos, em que vários palestrantes tiveram palavras duras em relação a indústria de petróleo e gás, incluindo o chefe da ONU, António Guterres, e o chefe da IEA, Fatih Birol, com mensagens claras sobre “precisamos parar de produzir petróleo e gás para resolver o problema climático mundial”

ITIE Angola terá auditor independente

A ITIE-Angola assumiu o compromisso de contratar um auditor Independente até Março de 2023.

Processo kimberley: mirempet indica presidente do comité ad-hoc

Estanislau Buio indicado pelo Ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás para presidir o Comité Ad-Hoc de Revisão e Reforma do Sistema de Certificação do Processo Kimberley com efeitos a partir de 2023.

OPEP+ Produziu Mais Petróleo em Dezembro.

A coalizão OPEP+ viu a sua produção combinada de petróleo aumentar em 140 KBPD para 42,71 MBPD em Dezembro, porém a aliança ainda está 1,8 MBPD abaixo da sua meta.