sábado, dezembro 3, 2022

OPEP+ se prepara para reunião contenciosa sobre cortes na produção de petróleo

Date:

Arábia Saudita busca corte de 1,5 milhão de barris por dia acima do esperado, mas nem todos os produtores estão a bordo.

VIENA – A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados liderados pela Rússia estão se preparando para uma reunião potencialmente contenciosa na quarta-feira, quando se reúnem pessoalmente pela primeira vez em anos para discutir um corte de produção de até 1,5 milhão de barris por dia que nem todos os jogadores apoiam, disseram funcionários da Opep.

Rússia e Arábia Saudita, os dois maiores produtores do grupo conhecido coletivamente como Opep+, estão pressionando por um corte de produção destinado a impedir que os preços do petróleo caiam ainda mais, disseram delegados da Opep. Autoridades sauditas disseram a outros países que querem cortar 1,5 milhão de barris por dia, o maior acordo de redução desde 2020, disseram os delegados, e mais profundo do que o inicialmente discutido.

Depois de subir acima de US$ 100 o barril nos primeiros seis meses do ano devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, os preços do petróleo caíram 32% nos últimos quatro meses devido a preocupações econômicas globais, com o petróleo Brent de referência internacional caindo abaixo de US$ 83 o barril pela primeira vez desde Janeiro. O Brent foi negociado a US$ 91,56 o barril na tarde de terça-feira, tendo subido na expectativa de um corte de produção.

Alinhando-se contra um grande corte de produção estão os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait, grandes produtores do Golfo Pérsico que estão preocupados que as restrições de longo prazo prejudiquem seus planos de aumentar a capacidade de produção, disseram os delegados. Os Emirados Árabes Unidos, em particular, investiram dezenas de bilhões de dólares nos últimos anos na expansão de sua capacidade, disseram eles.

Há também a preocupação de que a dor de qualquer corte de produção não seja compartilhada em todos os setores. Com grande parte do Ocidente evitando seu petróleo, a Rússia reduziu involuntariamente a produção em cerca de 1 milhão de barris por dia ou quase 10% de seu pico de produção, e enfrenta mais incertezas em 5 de dezembro, quando um embargo de petróleo da União Europeia e teto de preço esquema entra em vigor.

Em um sinal de tensão, a Opep+ cancelou uma reunião de seus tecnocratas agendada para terça-feira, disseram os delegados, porque as divergências eram tais que apenas uma reunião de ministros do petróleo poderia resolver as coisas.

O ministro da Energia saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, e seu colega dos Emirados, Suhail Al Mazrouei, se recusaram a comentar as negociações em Viena.

Após dois anos de reuniões virtuais que geralmente duravam menos de 15 minutos, os delegados da Opep disseram que estão se preparando para uma longa reunião na quarta-feira em sua sede em Viena. No passado, as reuniões da Opep podiam se estender por horas, às vezes dias, quando os membros discordavam e os delegados diziam que não sabiam o que esperar.

Antes da reunião da Opep+ de quarta-feira, a Casa Branca se recusou a comentar sobre a possibilidade de cortes na produção global de petróleo. A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que o governo “continuará a tomar medidas para proteger os consumidores americanos”.

“Nosso foco, e ficou muito claro nos últimos meses, tem sido tomar todas as medidas para garantir que os mercados sejam suficientemente abastecidos para atender à demanda de uma economia global em crescimento”, disse ela.

Separadamente, a Casa Branca disse que não estava considerando fazer liberações adicionais de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo além de seu plano atual.

O principal argumento para um corte de produção, disseram os delegados, é impedir que os preços do petróleo caiam abaixo de US$ 80 o barril.

Existem paralelos com o embargo de petróleo árabe de 1973, quando alguns países da Opep decidiram parar de fornecer os EUA em retaliação por seu apoio a Israel durante a Guerra do Yom Kippur, disse Christyan Malek, chefe de energia global do JP Morgan.

“A produção corre o risco de ser restrita em favor da otimização de preço e volume”, disse Malek.

O embargo inicialmente impulsionou os cofres da OPEP, mas acabou levando a esforços para reduzir o consumo de petróleo e alimentar a produção alternativa no Ocidente, levando a uma queda do preço do petróleo na década de 1980.

Os países da Opep+ também podem querer minar o teto de preços da UE, que busca limitar o que os países podem pagar pelo petróleo russo, disseram os delegados. O efeito combinado de um corte de produção da Opep+, além da perda de barris russos do teto de preço, pode ser substancial, disse Helima Croft, estrategista-chefe de petróleo da corretora canadense RBC.

“Pode haver um final explosivo no mercado de petróleo”, disse Croft.

O apoio da Rússia a um corte acentuado é um desvio de sua posição cautelosa no mês passado, onde o grupo concordou com uma pequena redução, a primeira em mais de um ano. Os representantes de Moscou então defenderam contra as previsões de um grande excesso de petróleo, que eles temiam enviar um sinal de baixa. Um subsequente declínio do preço do petróleo os forçou a mudar de rumo e defender uma ação agressiva, disseram os delegados.

Mesmo cortar a produção em 1,5 milhão de barris por dia pode não ter um efeito decisivo na oferta mundial de petróleo. O grupo de 23 membros da OPEP + está aquém de suas metas de produção em 3 milhões de barris por dia durante a maior parte do ano.

No entanto, os delegados da Opep disseram que um corte na produção poderia ter um impacto mais significativo no futuro investimento em petróleo.

Os investidores de petróleo estão apostando em um declínio nos preços do petróleo, com os contratos Brent com data de dezembro de 2025 sendo negociados a US$ 71 o barril, em comparação com os US$ 91 de hoje. Esse spread desencoraja as empresas petrolíferas a se comprometerem a gastar em nova capacidade de produção, disseram delegados da Opep.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

Angola Lança Relatório Especial do Sector Petrolífero na Angola Oil and Gas (AOG) 2022

O Ministério dos Recursos Minerais, Petróleos e Gás de Angola (MIREMPET) lançou o seu Relatório Especial sobre o Sector Petrolífero durante a cerimónia de abertura da Conferência e Exposição Angola Oil&Gas (AOG) 2022 (http://bit.ly/3UyBCpP) na terça-feira.

Isabel dos Santos vai concorrer à Presidência de Angola se a oportunidade surgir – “Procuraram manchar a minha reputação para venderem a UNITEL aos...

A empresária Isabel dos Santos disse que quer ser candidata à Presidência da República, "se a oportunidade surgir", porque Angola "precisa de um novo futuro político" e diz acreditar que "há muitas pessoas" que vão estar com ela nessa batalha.

Economia timorense está lentamente a recuperar

A economia de Timor-Leste está lentamente a recuperar, depois de uma recuperação de 2,9% em 2021, a economia está no caminho certo para crescer ainda mais 3,0% em 2022", refere o relatório, com o tema "Honrar o passado, garantir o futuro".

Sonangol dá início a construção do segundo Navio petroleiro

O arranque da construção do segundo navio foi formalizado no dia 28 deste mês, na cidade de Mokpo, Coreia do Sul, com a tradicional cerimónia de corte de aço referente ao casco 8021, segundo navio do projecto da tipologia Suezmax.