Segunda-feira, Fevereiro 19, 2024

Aquecimento mundial está bem acima do exigido pelo Acordo de Paris, alerta CEO da Anglo

Date:

O mundo está em uma trajetória para atingir 2,7°C de aquecimento acima dos níveis pré-industriais, o que é bastante distante matematicamente dos 1,5°C exigidos pelo Acordo de Paris.

Isso foi apontado pelo CEO da Anglo American, Duncan Wanblad, citando fontes independentes como a Climate Action Tracker.

“Foi um ano difícil com clima extremo… há interrupções que estamos vendo com mais frequência em eventos climáticos extremos”, disse Wanblad, após o lançamento do segundo maior conjunto de resultados financeiros de 2022 da empresa listada em Londres e Joanesburgo após seu desempenho recorde em 2021.

A Anglo teve um incidente de descarga de água de nível 3 na fundição de Polokwane em Limpopo.

As lagoas que armazenam a água para a circulação da água operacional estavam relativamente cheias devido ao desligamento do forno da fundição.

Vários dias de tempestades de vários dias resultaram no transbordamento da água.

“Muito a aprender com isso”, disse Wanblad.

As restrições de água no Chile, onde a Anglo extrai cobre, tiveram que ser mitigadas na mina de Los Bronces.

Além de eventos climáticos extremos, estão permitindo problemas em todo o mundo, quedas de teor e incerteza fiscal.

“Tudo isso continuará servindo para exercer uma pressão extraordinária sobre a intensidade dos metais e o uso de metais e minerais. O ‘e daí’ de tudo isso é que ainda parece que estamos estruturalmente direcionados para preços mais altos no futuro.”

O Acordo de Paris é um tratado internacional juridicamente vinculativo sobre as alterações climáticas. Foi adotado por 196 partes na vigésima primeira Conferência das Partes na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP21) em Paris, França, em 12 de dezembro de 2015. Entrou em vigor em 4 de novembro de 2016.

Seu objetivo primordial é manter “o aumento da temperatura média global bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais” e buscar esforços “para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais”.

No entanto, nos últimos anos, os líderes mundiais enfatizaram a necessidade de limitar o aquecimento global a 1,5 °C até o final deste século.

Isso ocorre porque o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU indica que cruzar o limite de 1,5 °C corre o risco de desencadear impactos muito mais severos nas mudanças climáticas, incluindo secas, ondas de calor e chuvas mais frequentes e severas.

Para limitar o aquecimento global a 1,5 °C, as emissões de gases de efeito estufa devem atingir o pico antes de 2025, o mais tardar, e diminuir 43% até 2030.

O Acordo de Paris é um marco no processo multilateral de mudança climática porque, pela primeira vez, um acordo vinculante reúne todas as nações para combater a mudança climática e se adaptar a seus efeitos.

A implementação do Acordo de Paris requer transformação econômica e social, com base na melhor ciência disponível. O Acordo de Paris funciona em um ciclo de cinco anos de ações climáticas cada vez mais ambiciosas – ou, aumentando – realizadas pelos países. Desde 2020, os países apresentam seus planos nacionais de ação climática, conhecidos como contribuições determinadas nacionalmente (NDCs). Cada NDC sucessivo deve refletir um grau de ambição cada vez maior em comparação com a versão anterior.

Reconhecendo que é necessária uma ação acelerada para limitar o aquecimento global a 1,5 °C, a decisão de capa da COP27 solicita que as partes reforcem as metas de 2030 em suas NDCs para se alinharem com a meta de temperatura até o final de 2023, levando em consideração diferentes circunstâncias nacionais.

Embora a ação contra a mudança climática precise ser intensificada para atingir as metas do Acordo de Paris, os anos desde sua entrada em vigor já geraram soluções de baixo carbono e novos mercados. Mais e mais países, regiões, cidades e empresas estão estabelecendo metas de neutralidade de carbono. As soluções de carbono zero estão se tornando competitivas em setores econômicos que representam 25% das emissões. Essa tendência é mais perceptível nos setores de energia e transporte e criou muitas novas oportunidades de negócios para os pioneiros.

Até 2030, as soluções de carbono zero poderão ser competitivas em setores que representam mais de 70% das emissões globais.

fonte:https://www.miningweekly.com/article/world-warming-at-rate-well-above-what-paris-agreement-requires-anglo-ceo-warns-2023-02-24

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).

Cabo Verde está a trabalhar na recuperação de empresas

A ministra da Justiça de Cabo Verde, Joana Rosa, avançou, esta segunda-feira, na cidade da Praia, que o Governo está a trabalhar no processo de insolvência, no código de recuperação de empresas e nas medidas de acções visando dar uma nova vida à economia do país.

PGR de Israel pede anulação de lei que impede exoneração de Netanyahu

Jerusalém - A Procuradora-Geral de Israel, Gali Baharav-Miara, defendeu perante o Supremo Tribunal a revogação da lei, aprovada pelo Parlamento em Março, que impede o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, de ser declarado incapaz de exercer o cargo.