Sexta-feira, Junho 21, 2024

Conselho de Ministros aprova Plano de Desenvolvimento da Pecuária

Date:

Segundo o comunicado da reunião, orientada pelo Presidente da República, João Lourenço, a medida visa assegurar a auto-suficiência alimentar e nutricional das populações, bem como combater a fome e a pobreza.

Entre os objectivos do plano está também o aumento dos rendimentos dos produtores pecuários e de outros intervenientes na cadeia de valor de produção de carne.

No foco do Planapecuária estão, de igual modo, o aumento da contribuição da produção pecuária nacional na satisfação das necessidades de consumo interno, nas exportações e no Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Concessão petrolífera da Zona Marítima de Cabinda

Na sessão desta quarta-feira, o Conselho de Ministros analisou o decreto legislativo presidencial que altera o regime fiscal aplicável à concessão petrolífera da Zona Marítima de Cabinda.

Trata-se de um projecto que visa assegurar o aumento da produção de petróleo e gás em todo território nacional, por via da concessão de incentivos fiscais.

Ainda de acordo com o comunicado, a reunião apreciou a proposta de lei que autoriza o Titular do Poder Executivo a legislar sobre a alteração do regime jurídico especial, incluindo os aspectos de natureza fiscal aplicável à concessão petrolífera da Zona Marítima de Cabinda, bloco 0.

A proposta tem em vista a criação de um quadro económico e de incentivos fiscais diversificados que promova a optimização da produção e acautelar a sua rentabilidade.

Plano Nacional de Fomento das Pescas

Também no segmento económico, o Conselho de Ministros aprovou o Despacho Presidencial que cria a Comissão Multissectorial de Supervisão do Plano Nacional de Fomento das Pescas. 

A referida Comissão é coordenada pelo ministro de Estado para Coordenação Económica e integra os ministros da Agricultura e Florestas, Administração do Território, Indústria e Comércio, Energia e Águas, Educação, bem como das Obras Públicas. 

Fazem, igualmente, parte da Comissão os ministérios do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Ambiente e dos Transportes.

Proposta de Lei das ONG 

A proposta de Lei das Organizações Não-Governamentais (ONG) segue para a Assembleia Nacional, após ter sido analisada, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros.

O documento tem como objectivo adequar a lei sobre a regulação do exercício das actividades das ONG ao novo quadro jurídico-constitucional ao actual contexto de crescimento económico do país.

Com a referida proposta de lei, o Executivo pretende reforçar a relação de parceria do Estado com as ONG, além de valorizar e incentivar essas organizações a participar no processo de desenvolvimento do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Popular

Publicações Relacionado
Relacionado

China e Noruega pretendem reforçar a cooperação parlamentar com Angola

A presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira, recebeu, quarta-feira, em Luanda, em audiências separadas, os embaixadores da China, Zhang Bin, e da Noruega, Bjornar Dahl Hotvedt, com os quais abordou o plano de cooperação entre os parlamentos.

Proposta de Lei da Actividade Mineira Ilegal é aprovada amanhã

A Proposta de Lei sobre a Actividade Mineira Ilegal volta, amanhã, a ser debatida na Assembleia Nacional para a sua aprovação na especialidade, para que medidas sejam tomadas contra todos os tipos de crimes aos recursos mineirais existentes em Angola.

Mining eventos partilha os progressos das etapas da cadeia de valores na 3º edição do Valentine`s Diamond Show

A Bumbar Mining orgulhosamente apresenta a terceira edição do Valentine’s Diamond Show, no dia 23 de Fevereiro de 2024, pelas 18h a 22h30, no Hotel Diamante em Luanda, um evento que visa promover e destacar os avanços da indústria diamantífera angolana.

Ataque do grupo Codeco mata 46 pessoas na RDC

Um total de 46 pessoas morreu num ataque de um grupo rebelde, o Codeco, contra um campo de deslocados no Nordeste da República Democrática do Congo (RDC) em Junho passado, confirmou ontem a Human Rights Watch (HRW).