Indústria diamantífera na SADC dá sinais de forte recuperação

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

A indústria de diamantes mundial continua a se recuperar dos impactos da pandemia de Covid-19 durante 2021, fruto do arrefecimento das economias e da adaptação dos mercados nacionais.

Segundo o relatório da De Beers, no primeiro semestre deste ano, as vendas ao consumidor de joias com diamantes nos Estados Unidos da América e na China registaram um crescimento positivo, não apenas nas receitas afectadas pelo Covid-19 em 2020, mas também em comparação com 2019 antes do início da pandemia.

Os mercados consumidores globais tiveram inicialmente uma recuperação menos pronunciada devido ao momento desigual dos impactos da pandemia em todo o mundo, mas o segundo semestre de 2021 viu uma tendência de recuperação mais positiva em toda a cadeia de valor internacional de diamantes.

Na África Austral, apesar dos problemas operacionais e das fortes chuvas, no primeiro trimestre de 2021, a produção foi aumentada para atender à demanda mais forte por diamantes brutos.

Em Angola, por exemplo, perto de 9 milhões de quilates da pedra preciosa foram produzidas em 2021, tendo rendido ao Governo um total de 1,7 mil milhões de dólares. Com a recuperação do mercado, o país perspectiva produzir 10 milhões de quilates no ano em curso e  uma facturação relativamente superior à de 2021, em que as exportações renderam à diamantífera estatal cerca de 1,7 mil milhões de dólares.

A intenção é que, pelo menos, 20 por cento da produção média local anual seja processada em termos de lapidação em Angola.

No Botswana, a produção foi 35 por cento maior, com 22,3 milhões de quilates (2020:16,6 milhões de quilates), pois a produção aumentou em resposta à demanda predominante mais forte.

A produção da mina de Debswana Jwaneng, localizada no sul do Botsuana, aumentou 71 por cento para 12,9 milhões de quilates (2020: 7,5 milhões de quilates) devido ao tratamento planeado de minério de maior teor e como resultado dos bloqueios relacionados ao Covid-19 no ano anterior.

A produção em Orapa aumentou marginalmente em 5% para 9,4 milhões de quilates (2020: 9,0 milhões de quilates), apesar do impacto das fortes chuvas no início do ano e do fechamento planejado da Fábrica 1 no final de 2020.

Na Namíbia, a produção ficou em linha em 1,5 milhão de quilates (2020: 1,4 milhão de quilates), reflectindo um aumento da remobilização da maioria dos navios no final de 2020, parcialmente compensado pela manutenção planejada. Já na África do Sul, a produção aumentou 41 por cento para 5,3 milhões de quilates (2020: 3,8 milhões de quilates), devido ao impacto dos bloqueios do Covid-19 no primeiro se-mestre de 2020 e ao processamento planejado de minério de maior teor do corte final de o poço aberto de Venetia.

No Canadá, a produção foi marginalmente menor em 3,2 milhões de quilates (2020: 3,3 milhões de quilates), principalmente devido a uma paralisação temporária relacionada ao Covid-19 no primeiro trimestre de 2021.

O aumento contínuo da demanda do consumidor levou a fortes taxas de crescimento nas vendas nos EUA, com as saídas da temporada de férias aumentando em cerca de um terço em relação a 2020.

Fonte:  Jornal de Angola

Comentários estão fechados.